Um guia para sua central: como começar sua operação

Já falamos muito sobre começar com sua central de rastreamento, mas desta vez decidimos fazer algo mais prático: um passo a passo deste início. Depois de ter um software licenciado e pronto para ser usado, é preciso seguir por momentos de extrema importância para que sua operação seja eficiente e realmente funcione.

Erros são comuns, mas devem ser evitados ao máximo. Errar agora é comprometer todos os planos de tirar sua central do papel. Por isso, é muito importante ter atenção redobrada em cada um dos itens a seguir.

Os rastreadores

Seu software está instalado e licenciado. Você já tem um conhecimento básico das funcionalidades dele, é certificado por algum curso – muitas empresas oferecem programas para aperfeiçoar os conhecimentos no software -, e está pronto para iniciar. O primeiro passo é, então, adquirir os equipamentos necessários para o rastreamento.

É muito importante que se observe todas as funcionalidades e especificações do equipamento escolhido. Você precisa de rastreadores que funcionem de forma eficiente e tragam benefícios para seu cliente. Quanto melhor a performance e mais opções de ação, melhores serão os resultados.

Além destas especificações das ações possíveis, é importante ficar atento quanto ao consumo de dados do equipamento. Com a questão do excedente no pacote de dados (vamos falar sobre isso mais para frente), o gasto final de seu cliente pode sair muito maior do que o planejado.

Além disso, fique sempre atento com algumas “enganações”. Preços muito abaixo do mercado podem ser uma armadilha fatal. Fique atento porque um rastreador de baixa qualidade pode trazer dores de cabeça com manutenções constantes ou até mesmo uma necessidade de reposição. Ou seja, um gasto a mais que pode ser evitado.

Chips adequados

Assim como os rastreadores, os chips devem ser escolhidos com cautela. Existem alguns pontos principais que precisam ser sempre levados em conta antes de tomar a decisão final sobre qual operadora será escolhida, bem como o plano.

Fique atento na gestão: acompanhar é a palavra chave na sua operação. É preciso gerir a quantidade de chips em campo, o consumo de dados de cada um deles, além da conectividade. Ter este controle evita que você (e seu cliente) pague por algo que não esteja usando ou por um serviço que não esteja funcionando corretamente.

De olho na cobertura: a escolha da operadora também é um ponto importante. Tenha certeza de que a escolhida possua uma cobertura grande, evitando falta de conectividade e áreas de sombra em excesso. Falta de conexão pode comprometer toda sua operação e as informações que seu cliente precisa.

Tomados estes cuidados na hora de escolher a operadora e na compra do chip para oferecer ao seu cliente, sua operação já tem boa parte de garantia de uma conexão eficiente. Agora, entramos em um momento delicado que precisa de muita atenção, por ser a mais importante de todas estas que falamos aqui.

Guia completo: tudo o que você precisa saber sobre o mercado de monitoramento veicularPowered by Rock Convert

Bancada de testes: atenção redobrada

Rastreadores e chips em mão, com o funcionamento normal. Agora você chega à parte crucial de sua operação, que irá testar a conectividade e comunicação com o sistema. Realizar o teste (vamos explicar como logo a seguir) é importante para que tudo corra bem e evite, assim, os erros mais comuns em operações recém-iniciadas.

Muitos donos de centrais optam por instalar os chips e rastreadores diretamente nos veículos, logo após a compra destes. Esta instalação direta pode comprometer toda a sua operação, caso tenha qualquer problema de conectividade.

Para realizar estes testes você precisa de alguns itens essenciais:

  1. Uma fonte chaveada de corrente contínua de 12v
  2. Um alicate pequeno de precisão
  3. Um multímetro
  4. Um chip com pacote de dados ativo

Com os itens, você instala o chip no equipamento devidamente configurado. Logo em seguida, liga o rastreador na fonte seguindo as informações do fabricante, em um local que seja livre de interferência externas que prejudiquem a comunicação. Com isso, você pode acessar seu sistema e, caso esteja tudo correto, em poucos minutos os pacotes começarão a surgir.

Se isso acontecer, a configuração está correta e você já pode seguir para o próximo passo: a instalação.

Instalando o equipamento

Rastreadores configurados e comunicando com o sistema web, aprovado 100% na etapa anterior, você está pronto para instalar os equipamentos nos veículos. Assim como anteriormente, esta etapa deve ser feita com atenção e muito cuidado.

É importante que este momento não fique nas mãos de seu cliente. Você, como dono de central, precisa garantir que a instalação seja feita com eficiência, já que qualquer erro pode comprometer a operação toda.

Para isso, tenha certeza de que seja feita por profissionais capacitados e treinados. Eles precisam conhecer as especificidades dos equipamentos e da forma como rastreadores funcionam para que erros não sejam cometidos.

Além disso, é preciso de cuidado no local onde o rastreador será instalado. Existem pontos estratégicos no veículo que podem, inclusive, evitar que o equipamento seja removido ou desativado em casos de roubo. Ou que sofra interferência de algum componente do carro.

Tudo pronto!

Agora que passou por todos estes passos, você está pronto para iniciar de vez sua operação. Comece a monitorar e cresça cada vez mais com sua central, sempre tomando todos os cuidados necessários para levar a sua empresa adiante, com o melhor para seu cliente.

Powered by Rock Convert

 

Powered by Rock Convert

Deixe um comentário

Por favor, seja educado. Nós gostamos disso. Seu e-mail não será publicado e os campos obrigatórios estão marcados com "*"