Imagem - Getrak
Rastreamento
Tecnologia de rastreamento veicular: conheça alguns conceitos mais comuns!
Publicado por Getrak
10 de dezembro de 2018

Embora muitas vezes associada ao futuro, a tecnologia de rastreamento veicular é algo que faz cada vez mais parte do dia a dia das pessoas. Para se ter uma ideia, hoje já é possível não só localizar um veículo, como também gerenciar frotas, planejar trajetos eficientes, avaliar o desempenho do motorista, verificar o consumo de combustível e prevenir acidentes.

Tudo isso graças às constantes transformações tecnológicas, que melhoram e ampliam os serviços da área automotiva. Afinal, as pessoas buscam cada vez mais soluções, especialmente com relação à segurança e ao monitoramento.

O Brasil, por exemplo, tem 43,3 milhões de veículos circulando em todo o país, segundo reportagem do Correio Braziliense, mas poucos são rastreados e, infelizmente, os inúmeros casos de roubos e furtos fazem parte da realidade de muitos brasileiros — uma das razões pelas quais o mercado de seguro veicular está em expansão.

Por outro lado, mundialmente, existe uma grande tendência de expansão do setor. De acordo com um relatório feito pelo Global Market Insights, o mercado de rastreamento de veículos deve faturar US$ 11 bilhões até 2024. E quais são os principais motivos? O avanço tecnológico e o aumento da demanda.

Porém, quais são as inovações mais comuns da área de rastreamento, como elas funcionam e de que forma impactam as corporações e as pessoas? Confira a seguir e conheça alguns conceitos mais comuns do setor!

Qual é o papel da tecnologia no rastreamento?

Antes de conhecer alguns tipos de tecnologia de rastreamento, é importante compreender, como de fato, as transformações tecnológicas contribuem para o avanço dos serviços oferecidos pelo setor.

Um primeiro ponto é que rastreamento veicular vai muito além da instalação de rastreador automotivo, pois engloba todo um sistema de monitoramento em prol de objetivos específicos.

Imagem - Getrak
E-book
Saiba como abrir o seu próprio negócio

Para uma companhia de logística, por exemplo, pode ser necessário tornar mais efetivas as entregas; já para uma frota, o ideal é a localização e o planejamento das rotas. Em se tratando de um usuário, ele pode querer garantir mais segurança para a família. Enfim, são motivos profundos e que exigem tecnologias diferenciadas por trás de cada operação.

Então, conforme os avanços técnicos, torna-se possível oferecer serviços mais precisos para as diversas demandas dos clientes. Atualmente, as mais requisitadas na área são o GPS, a radiofrequência, a telemetria, soluções mobile, sistema TMS, WPS, Bluetooth e microchip.

Agora, siga com a leitura para entender as principais características, como funcionam e as vantagens e desvantagens de cada uma delas.

Quais são as tecnologias utilizadas para rastreamento de veículos?

GPS

Uma tecnologia de rastreamento bastante conhecida é o GPS, sigla para o termo Global Positioning System — Sistema de Posicionamento Global, traduzido para o português.

Embora tenha sido desenvolvido para fins militares pelo governo dos Estados Unidos, o GPS, hoje, tem inúmeras aplicações. Ele pode ser utilizado para localizar objetos, animais e pessoas ou até mesmo para jogos de celular — um exemplo de famoso é o Pokémon Go, lembra-se dele?

Além disso, o sistema é amplamente usado para o rastreamento de veículos, fornecendo dados precisos sobre posicionamento ao redor do globo.

Como o GPS funciona?

O GPS é um sistema usado para localização, mas como funciona exatamente para os automóveis? De forma geral, ele calcula onde o carro, moto, caminhão, ônibus ou até mesmo veículo agrícola está com base nas informações transmitidas entre um dispositivo para rastrear veículos e os satélites ao redor da terra.

Isso acontece por meio de um processo chamado trilateração. Em linhas gerais, os sinais trocados entre o receptor e ao menos quatro satélites geram informações que, quando analisadas, determinam com bastante precisão onde veículo realmente está.

Quais são as vantagens e desvantagens?

Pelo fato de ser via satélite, o GPS é bastante abrangente e eficaz. Ele é útil tanto para pessoas que têm o objetivo de proteger o próprio patrimônio contra roubos e furtos como para empresas de transporte e logística, por exemplo.

Afinal, com as informações captadas pelo GPS, é viável analisar itinerários e traçar estratégias para rotas, de modo a otimizar a gestão da frota e, consequentemente, melhorar o serviço oferecido e os resultados da empresa.

No entanto, existe uma limitação dessa tecnologia de rastreamento com relação às áreas sujeitas à interferência de sinal, como garagens e túneis.

Radiofrequência

Outra tecnologia de rastreamento bastante interessante é a radiofrequência. Embora sua origem tenha se dado por volta de 1970, sua aplicação tornou-se popular recentemente, por conta das inovações que permitiram a redução do custo de produção.

Existem diversas áreas estudando o uso da radiofrequência, tanto para que ela possa substituir os códigos de barras quanto para monitorar pacientes com Alzheimer.

Porém, com relação ao setor automotivo, ela serve para controlar, identificar e rastrear veículos, como explicaremos logo a seguir.

Como a radiofrequência funciona?

Os dispositivos funcionam como etiquetas ativas, semiativas e passivas. As ativas e semiativas são compostas por uma bateria; já as passivas são constituídas por um microchip e antenas.

A diferença entre elas é com relação à performance: as primeiras podem enviar sinais e as segundas repondem aos sinais enviados. De modo geral, dispositivos capazes de emitir dados têm um custo mais elevado.

Quais são as vantagens e desvantagens?

Com a radiofrequência, é possível permitir ou negar o acesso de veículos conforme os dados coletados, aumentando os níveis de segurança de empresas de transporte, condomínios, garagens, áreas de construção, entre outros.

Além disso, facilita a ampliação de serviços oferecidos por negócios de segurança veicular, pois facilita o processo de identificação de automóveis, aprimora os programas de fidelidade e automatiza uma série de transações.

E, obviamente, a tecnologia atua no rastreamento de veículos sem sofrer interferência por conta de inibidores de sinais ou das áreas de sombra, como acontece nos subsolos ou túneis.

Porém, distâncias extremamente longas dificultam o funcionamento do dispositivo e o mapeamento correto. Nesse caso, o GPS pode ser uma opção melhor.

Telemetria

O rastreamento veicular vai muito além da elaboração de rotas e das cercas eletrônicas. De fato, com a telemetria, dá para oferecer uma grande diversidade de serviços, cruzando informações sobre o desempenho do veículo e do motorista com a própria operação em si.

Também é importante ressaltar que a telemetria pode ser utilizada para diversas áreas, incluindo a médica e a agrícola, por exemplo. Entretanto, sua aplicação é realmente incrível para o setor automobilístico.

Como a telemetria funciona?

De forma simples, a telemetria pode ser entendida como a coleta e medição de dados. Um computador de bordo ou dispositivo envia para a central de rastreamento veicular em tempo real uma série de informações que são organizadas em um relatório gerado pelo sistema.

A telemetria pode trazer dados essenciais para a otimização de frotas, algo fundamental para companhias de logística. Alguns itens que podem ser medidos são:

  • trajetória percorrida;

  • combustível consumido;

  • frenagens bruscas e alteração de velocidade;

  • jornada de trabalho do motorista;

  • performance do condutor;

  • períodos em que o veículo estava parado;

  • temperatura dos veículos com baú refrigerado;

  • abertura do baú para carregamento ou descarregamento.

Quais são as vantagens e desvantagens?

A telemetria proporciona vantagens tanto para os motoristas quanto para uma empresa que precisa gerenciar bem sua frota de veículos.

Afinal, os dados sobre a velocidade, quilometragem, condução e até mesmo condições externas podem ser coletados e avaliados pelo sistema, que, com isso, traça a melhor estratégia.

Além disso, funciona muito bem para situações em que a carga é refrigerada, valiosa ou perigosa. Por exemplo, se for feito o transporte de combustível ou produto químico inflamável, com a telemetria, é possível mapear a trajetória e, dessa forma, colocar em práticas medidas para evitar acidentes que possam causar danos ambientais.

Apenas é importante ressaltar que, para tudo isso funcionar, é necessário de um bom software para rastreamento veicular, que disponibilize um sistema de alerta eficiente, ofereça mapas atualizados e relatórios claros e precisos.

Mobile

Com a popularidade dos celulares, também cresceu o desenvolvimento de soluções mobile. Hoje, por exemplo, é possível até mesmo abrir uma conta bancária diretamente por um aplicativo ou gerenciar a frota da sua própria central de rastreamento veicular.

Isso torna mais acessível o monitoramento de veículos a qualquer momento e em tempo real, sem contar o fato de que facilita o processo e fornece mais confiabilidade para os clientes.

Como a tecnologia mobile funciona?

O aplicativo para a gestão de uma central de rastreamento tem inúmeras funções. De fato, ele permite gerenciar:

  • o alerta de ignição;

  • a cerca, caso o automóvel saía da trajetória prevista;

  • o percurso de todos os veículos no mapa;

  • todos os dados de telemetria.

Outro grande benefício do aplicativo é que ele pode funcionar em diferentes dispositivos, tanto nos celulares com sistemas Android quanto nos iPhones. Além disso, dá para personalizar o app com o nome e logo da sua central e tornar o seu negócio ainda mais único no mercado.

Quais são as vantagens e desvantagens?

Você tem celular? Provavelmente, a resposta para essa pergunta é “sim”, e isso não é uma mera suposição, pois 77,1% dos brasileiros têm algum aparelho desse tipo, de acordo com uma reportagem do site G1.

E, como consequência, as pessoas utilizam os celulares não apenas para o próprio entretenimento, mas para absolutamente tudo o que é possível, como pedir comida, pagar contas, solicitar um transporte, comprar, entre outros.

Assim, as empresas precisam estar atentas aos hábitos dos consumidores para marcarem presença nos mais diversos meios em que possam obter bons resultados. Independentemente do tamanho da sua central, com o aplicativo, é viável individualizar o rastreamento e agregar ainda mais valor ao serviço oferecido.

Por outro lado, como acontece com as demais tecnologias, é preciso ficar atento às novidades e inovações mobile, para poder manter a central atualizada. Caso contrário, ela poderá tornar-se obsoleta.

Sistema TMS

Assim como as demais, o TMS — sigla em inglês para Transportation Management System — também é uma tecnologia de rastreamento veicular.

Traduzido para o português, o Sistema de Gerenciamento de Transportes nada mais é do que um software com 4 funcionalidades específicas. São elas: planejar, executar, acompanhar e medir. As áreas que mais utilizam o TMS são as de transporte e logística.

Como o sistema TMS funciona?

Com o TMS, é possível planejar qual é a melhor estratégia para que o transporte seja eficiente, conforme as especificações do usuário. Por exemplo, se o objetivo é diminuir o tempo de entrega, o sistema auxiliará a definir ações em prol desse objetivo.

Além disso, ele tem ferramentas para que o plano de execução seja colocado em prática, assim como o acompanhamento das operações de transporte, inclusive para apontar possíveis atrasos ou acidentes.

Por outro lado, para funcionar de maneira adequada, o TMS ainda deve ser capaz de realizar medições e produzir relatórios precisos sobre o desempenho de uma operação.

Quais são as vantagens e desvantagens?

Em primeiro lugar, o TMS possibilita à central de rastreamento tomar uma melhor decisão com base em informações sólidas. De maneira constante, permite a avaliação dos erros, para que eles possam ser corrigidos e a operação, aprimorada como um todo.

Outra vantagem importante é com relação à automação dos processos, que contribui para o aumento da produtividade e para a diminuição da incidência de erros. Como consequência, reduz os custos e amplia resultados.

Por outro lado, é essencial que as informações sejam sempre as mais precisas possíveis, para que o software de rastreamento consiga produzir relatórios realmente eficazes. Caso contrário, o planejamento e o resultado das operações ficarão comprometidos.

WPS

O WPS é a sigla para Wi-Fi Positioning System, ou seja, um sistema que usa os pontos de acesso wi-fi para determinar a localização de um objeto — dentro área de tecnologia de rastreamento veicular, o objeto é o próprio automóvel.

Em geral, ele é utilizado em locais urbanos (por conta da grande quantidade de pontos de acesso) e onde o GPS não funciona plenamente, como em subsolos, prédios e shopping centers, por exemplo.

Um dado interessante é que muitos aplicativos de localização sugerem a ativação do wi-fi para que, dessa maneira, possam obter um resultado mais exato do local. De fato, juntas, as duas tecnologias são capazes de determinar o ponto em que um objeto está com mais precisão.

Como o WPS funciona?

A medição da intensidade de sinal é a forma mais utilizada para determinar um posicionamento específico com base em uma rede sem fio. Quanto mais pontos de acesso, maior será a precisão da localização.

No entanto, por conta das interferências de sinal, é possível que ocorram erros e imprecisões. Para corrigi-los, é necessária a aplicação de técnicas de modo a neutralizar essas flutuações. Porém, no caso do rastreamento veicular, uma combinação entre WPS e GPS é o suficiente para evitar o problema.

Vale ressaltar, ainda, que a tecnologia pode ter outras aplicações, como assistência médica monitorada, rastreamento pessoal ou aplicativos de localização interna.

Quais são as vantagens e desvantagens?

Por ser relativamente novo, o uso do WPS em uma central de rastreamento pode significar uma vantagem competitiva no mercado. Embora muitas montadoras já disponibilizem veículos conectados, as tecnologias não são aproveitadas plenamente, o que indica uma demanda importante para ser trabalhada.

Também é fundamental ressaltar que o WPS funciona muito bem para situações em que o GPS não é suficiente, como em áreas internas, locais com grandes construções ou para os casos de trajetórias múltiplas.

Entretanto, ainda existe a limitação dos pontos de acesso, especialmente para áreas remotas e distantes dos centros urbanos.

Bluetooth

Sem dúvidas, o Bluetooth é uma ótima maneira de transmitir, via comunicação sem fio, dados e informações de uma forma simples, rápida e segura. Com as recentes transformações e o surgimento do Bluetooth Low Energy (BLE), a aplicação dessa tecnologia tornou-se ainda mais diversificada.

O grande diferencial do BLE em comparação ao Bluetooth clássico é com relação ao baixo custo e consumo de energia. Ele é ideal para transmitir uma quantidade específica de dados e tem uma durabilidade bastante alta.

Como o Bluetooth Low Energy funciona?

Na área de rastreamento veicular, por exemplo, o BLE pode ser utilizado para o controle da entrada e saída de veículos de um determinado local. Ele é capaz de transmitir as informações de um ou mais veículos rastreados para um software ou um serviço de armazenamento em nuvem.

Além disso, é uma ótima maneira de fazer monitoramentos de ambientes internos ou até mesmo da jornada de trabalho do motorista. O BLE ainda funciona muito bem para rastrear máquinas das áreas de construção ou agrícolas, especialmente aquelas que operam tanto no subsolo quanto em ambientes externos.

Quais as vantagens e desvantagens?

As principais vantagens do Bluetooth Low Energy são o baixo custo e o rendimento, pois ele tem alta capacidade de reter energia. Além disso, outro benefício é que essa tecnologia ainda pode atuar de forma combinada com o GPS ou o WPS para a garantir plena cobertura em prol da localização do veículo.

Outro ponto bastante benéfico é que o BLE pode ser utilizado para automatizar residências, em dispositivos de uso médico ou até mesmo para pagamentos handsfree em lojas.

Porém, a questão da menor privacidade pode ser considerada uma desvantagem para muitas pessoas, e, diante disso, a empresa terá de ser mais clara e transparente com os clientes ao informá-los sobre o uso dessa tecnologia e a proteção de dados.

Microchip

De modo geral, microchip é uma tecnologia de rastreamento que vem crescendo no mercado. Embora sejam bem pequenos e difíceis de ser notados, os microchips são muito potentes para a localização de veículos.

Aliás, isso já é bastante utilizado como uma espécie de identidade para animais domésticos, de criação ou selvagens. Existe, ainda, a possibilidade de ser usado em humanos para fins médicos ou até mesmo para monitorar trabalhadores dentro de uma empresa.

Como o microchip funciona?

Na área automotiva, o microchip pode ser entendido como um rastreador para carros, com funções similares às de um GPS tradicional. Ele capta os sinais via satélite e, por meio da rede sem fio, transmite as informações para a central de monitoramento.

Para completar o processo, é necessário um software de rastreamento para efetivamente traduzir as informações e, assim, localizar o veículo. Os relatórios gerados podem ser fornecidos via aplicativo ou em uma plataforma para computador.

No futuro, existe ainda a possibilidade do uso do microchip sob a pele, para que, por exemplo, só o proprietário possa abrir a porta ou dar a partida no próprio carro. Enfim, as aplicações são inúmeras e bastante diversificadas.

Quais são as vantagens e desvantagens?

Pelo fato de ser muito pequeno, é muito difícil identificar se um automóvel tem ou não um microchip instalado. Aliado a esse fato, ele tem as mesmas funcionalidades de um GPS ou WPS, especialmente no que diz respeito à localização.

E, diante das perspectivas futuras, o seu uso pode ser ainda mais aprimorado e utilizado para monitorar os próprios motoristas. Assim, hipoteticamente, seria possível mapear as reais condições do condutor e, quem sabe, até evitar acidentes ou agir mais rápido diante de roubos e furtos.

Embora possa ser muito vantajoso, o uso de microchip é questionável por conta da privacidade. Afinal, todas as informações dos veículos ou de uma frota ficam disponíveis para um único sistema.

Por fim, é possível perceber que todos esses tipos de tecnologia de rastreamento surgiram com o intuito de melhorar o funcionamento das empresas e proporcionar mais segurança e qualidade de vida para as pessoas.

Sem dúvidas, eles são muito benéficos para a cadeia produtiva de diversas companhias, diminuem riscos, economizam tempo e recursos, além de ampliar a satisfação dos clientes. Individualmente, a tecnologia aplicada ao setor proporciona mais segurança para os condutores.

É certo que, conforme os avanços tecnológicos, novas soluções devem surgir, e aquela ideia de que o futuro é sempre algo distante poderá ficar cada vez mais para trás.

Agora, queremos saber de você: está empolgado com as ferramentas já existentes e ansioso pelas novidades que estão por vir? Então, na sua opinião, qual é o tipo de tecnologia de rastreamento que deve transformar o mercado automobilístico nos próximos anos? Escreva a sua resposta para nós na área de comentários e participe da discussão! Até mais!

Postagens relacionadas
Imagem - Getrak
Saiba tudo sobre o software para rastreamento veicular Getrak!

Iniciar uma central de rastreamento veicular eficiente e que apresente uma segurança para o seu cli...

Leia mais
Imagem - Getrak
Essencial para operação, serviço de pronta resposta é um trunfo para sua central

Segurança é uma preocupação geral. Já falamos aqui anteriormente que o crescimento do número d...

Leia mais
Imagem - Getrak
Rastreamento veicular: como funciona o monitoramento em tempo real?

Você já teve a impressão de um aumento da violência do país? Não é apenas uma sensação: só...

Leia mais
Newsletter #MonteSuaCentral

Fique por dentro do mercado de Rastreamento.
Receba os conteúdos do nosso blog exclusivamente.