Imagem - Getrak
Central de rastreamento
Conheça as 8 cidades com maior frota de veículos no Brasil
Publicado por Getrak
6 de setembro de 2018

De acordo com dados fornecidos pelo DENATRAN — Departamento Nacional de Trânsito —, a quantidade de automóveis no Brasil já ultrapassa os 98 milhões. Boa parte das cidades com maior frota de veículos são capitais e, as facilidades para a compra e a ineficiência do transporte público, colaboram para números tão altos.

Preparamos uma lista de 8 cidades com a maior frota de veículos, suas principais características e os problemas que esse número elevado de automóveis traz.

1. São Paulo

Conhecida como a capital não oficial do Brasil e principal centro financeiro, a cidade de São Paulo apresenta a maior frota de veículos em circulação.

Segundo dados fornecidos pelo DENATRAN, até junho de 2018 eram mais de 8 milhões de automóveis. Como era de se esperar, isso traz uma série de transtornos — como congestionamentos, poluição do ar e sonora.

A capital também tem a maior taxa de roubos do país. Em 2015, foram roubados cerca de 11 veículos por hora na cidade. Esse é um dos principais motivos pela grande procura por serviços de rastreamento veicular. Além dos furtos, congestionamentos são frequentes, especialmente nos horários de pico.

Mesmo tendo uma infraestrutura sobre trilhos com mais de 300 quilômetros de extensão, ela não é suficiente para atender às necessidades de locomoção da enorme população dessa metrópole.

Os problemas aumentam em épocas mais chuvosas, quando muitas avenidas importantes alagam.

Imagem - Getrak
E-book
Saiba como abrir o seu próprio negócio

2. Rio de Janeiro

A cidade do Rio de Janeiro tem a segunda maior frota de veículos do país e, assim como em São Paulo, isso causa grandes problemas de locomoção. São mais de 2,8 milhões de automóveis circulando — entre carros de passeio, motos, ônibus e caminhões —, o que gera muito estresse na população.

A cidade conta com uma enorme infraestrutura de transporte público — incluindo trens, metrôs, ônibus e BRtrens.

Infelizmente, assim como em São Paulo, o serviço não consegue atender a demanda da população nos horários de pico, fazendo com que muitos optem pelos seus carros particulares, aumentando os congestionamentos.

Outro problema enfrentado são os roubos e sequestros de cargas. Para reduzir isso, muitas empresas têm apostado no monitoramento de suas frotas. Usando a telemetria, elas conseguem aperfeiçoar os trajetos, economizar combustível e evitar percursos considerados como perigosos.

3. Belo Horizonte

Belo Horizonte é uma das cidades que tem os maiores problemas de locomoção do país.

Apesar de ter cerca de 2 milhões de veículos circulando, a relação entre carros e população é a maior do Brasil — 0,65 automóvel por habitante —superando, inclusive, a cidade de São Paulo, que é de 0,61.

Para agravar ainda mais os problemas em Belo Horizonte, de acordo com uma pesquisa realizada pela CNT — Confederação Nacional dos Transportes — a cidade conta com o menor sistema de transporte sobre trilhos entre as principais capitais brasileiras, o que resulta em muitos congestionamentos e transtornos para a população.

A frota de veículos em Belo Horizonte tem crescido, em média, seis vezes mais que o número de pessoas. Existem alguns projetos para melhorar o trânsito da cidade — como o PlanMob.

Porém, se nada for feito rapidamente, a situação dessa capital tão importante para o país tende a se agravar.

4. Brasília

Até junho de 2018, de acordo com dados fornecidos pelo DENATRAN, Brasília contava com mais de 1,7 milhões de veículos e uma relação de 0,54 automóveis por habitante.

Mesmo sendo planejada e tendo avenidas bem largas, a cidade não está livre dos congestionamentos.

A centralização dos postos de trabalho e a distância em relação às moradias fazem com que muitas pessoas sigam para um mesmo destino simultaneamente, gerando muita confusão no trânsito em horários de pico.

Assim como nas demais capitais, apesar de contar com um sistema de metrô, ele não é suficiente para atender a demanda.

5. Curitiba

Curitiba é a quinta cidade da lista e conta com uma frota superior a 1,5 milhões de veículos circulando. Apesar de ter um dos sistemas de transporte público mais eficientes e elogiados do Brasil, ela segue o padrão das demais capitais do país e costuma registrar congestionamentos.

Mesmo não sendo tão frequentes como em outras capitais — como São Paulo e Rio de Janeiro —, os congestionamentos têm aumentado. Com uma taxa de crescimento da frota em cerca de 4% ao ano, se nada for feito, muito em breve a cidade passará por problemas maiores, aumentando o tempo médio de locomoção de seus habitantes.

6. Goiânia

Goiânia ocupa a sexta posição em relação às cidades com maior frota de veículos do país. Atualmente, ela conta com cerca de 1,1 milhões de automóveis nas ruas. Apesar de os números serem bem menores em relação a São Paulo e ao Rio de Janeiro, os congestionamentos são constantes e enormes.

Muito disso é causado pela relação entre o número de habitantes e automóveis. Existe quase um carro por pessoa — além das motos. Junte isso a um péssimo sistema de transporte público oferecido e o resultado é muita dor de cabeça e estresse para a população.

Ruas e avenidas em mau estado de conservação também colaboram bastante.

7. Fortaleza

Fortaleza tem uma frota com pouco mais de um milhão de veículos e uma relação de 0,37 carros por habitante.

Quando você pensa na cidade, imagina tranquilidade, praias, sol e descanso. Mas, infelizmente, quando o assunto é mobilidade, nem sempre isso acontece. Se comparada a outras capitais, os problemas no trânsito são pequenos, mas existem.

Nos horários de pico, são comuns os engarrafamentos, especialmente em regiões com pontos turísticos. O transporte público costuma dividir opiniões: muitos o consideram excelente, enquanto outros o detestam. Isso ocorre principalmente por falhas na distribuição das linhas de ônibus.

8. Salvador

Por fim, temos a oitava cidade com a maior frota de veículos do país, com cerca de 900 mil. Existe aproximadamente um carro para cada três habitantes. Infelizmente, roubos de automóveis também são comuns. Em 2017, a média foi de 17 por dia, um problema comum em várias capitais do Brasil.

Devido a isso, muitos têm procurado investir em centrais de rastreamento, uma excelente forma de abrir um negócio próprio aproveitando a demanda existente no mercado. Esse serviço tem crescido, principalmente, devido aos menores custos em relação aos seguros automotivos convencionais.

Muitas das cidades com a maior frota de veículos já apresentam problemas relativos à mobilidade das pessoas e, se nada for feito, a situação tende a piorar. Mas, você pode ajudar! Procure dar caronas e, sempre que possível, opte por um transporte alternativo, como uma bicicleta.

Se você gostou do nosso texto e tem interesse em montar o seu próprio negócio, leia nosso outro post e aprenda sobre como ter segurança ao abrir uma empresa!

Postagens relacionadas
Imagem - Getrak
Conheça os 6 principais tipos de rastreadores veicular do mercado

O mercado de rastreamento veicular é um dos mais promissores para os próximos anos e abre excelent...

Leia mais
Imagem - Getrak
Aprenda como precificar serviços da sua central de rastreamento

Os atuais índices de violência influenciaram no desenvolvimento de dispositivos de segurança que ...

Leia mais
Imagem - Getrak
Como o uso do bloqueio veicular GConnect pode trazer benefícios para sua central?

Em uma central de rastreamento, é fundamental buscar por argumentos eficazes de vendas, conquistar ...

Leia mais
Newsletter #MonteSuaCentral

Fique por dentro do mercado de Rastreamento.
Receba os conteúdos do nosso blog exclusivamente.